Retorna à página principal   Mapa do site   Intranet - Acesso Restrito   Acesso Restrito para Pastores   Imprimir o conteúdo desta página    Fale conosco.
Comunidade Evangélica Entre as Nações






Situação missionária em Israel
Israel é um país moderno, de indústria sofisticada. A economia está sofrendo severo desgaste por causa da onda de novos imigrantes (25% da população), altas despesas militares (29% dos gastos do governo), crescente débito público (US$16.500 per capita) e aumento no desemprego. Renda per capita US$9.750 (46% dos EUA).

A fundação de Israel em 1948 terminou com 1.900 anos de exílio para os judeus. Cinco guerras em 1948, 1956, 1967, 1973 e 1982-1985 com os países vizinhos e também em 1991 com a Guerra do Golfo, exigiu um alto custo para a sociedade israelense.
As contrariedades militares no Líbano e o rápido desenvolvimento das colônias judaicas em território não judeu polarizaram a sociedade e pressionam para uma solução do conflito árabe-israelense. O futuro dos territórios ocupados, anexação e autonomia de um estado palestino, são assuntos de intenso debate nacional e internacional e negociação.

Religião: Liberdade para todos os grupos religiosos ministrarem dentro de suas próprias comunidades, exceto para os judeus cristãos, aos quais é negada qualquer posição legal como um corpo religioso. O proselitismo e o evangelismo não são vistos com bons olhos mas não são impedidos. Coalizões sucessivas de governos têm obtido o apoio dos pequenos partidos judeus ortodoxos, que em retorno exigem medidas que limitem as liberdades religiosas.
Judeus: 81,4%.
Muçulmanos: 14,5%. A maioria palestinos sunni.
Druzos: 1,6%. Uma seita quase que muçulmana com crenças e rituais secretos.
Não religiosos/outros: 0,2% excluindo os judeus.
Cristãos: 2,34%. Crescimento 1,4%.
Evangélicos/Protestantes: 0,21%. Crescimento 2,9%.
Missionários evangélicos/protestantes: Para Israel: 338 em 64 agências missionárias de 23 países: EUA, 135; Reino Unido, 67; Alemanha, 30; Finlândia, 28. De Israel: 30 de 7 agências missionárias em 5 países.

MOTIVOS DE LOUVOR

1. O aumento no número de crentes convertidos entre os judeus. Os judeus messiânicos aumentaram de 250 em 1967, para, possivelmente, 7.000 em 2000, e estão começando a ser reconhecidos por muitos como uma parte aceitável da sociedade israelense. Um estável aumento no número de árabes crentes e novas igrejas nos últimos 20 anos também têm acontecido.

2. Em todo o mundo tem havido uma resposta significativa entre os 15 milhões de judeus; cerca de 132.000 são ligados às congregações messiânicas, e mais 200.000 às igrejas dos gentios. A maioria destes crentes está na América do Norte, e também na Rússia, Ucrânia e Reino Unido.

MOTIVOS DE ORAÇÃO

1. A volta dos Judeus para Israel foi acelerada depois do colapso do comunismo no leste da Europa e Etiópia. Apesar disto ser um cumprimento de profecia (Ezequiel 20:3 2-34 ; 3 6: 16-24), a maioria voltou para seu antigo país na incredulidade . Ore pela restauração espiritual da nação através do Messias Jesus (Romanos 11:25, 31).

2. O intenso conflito de meio século entre árabes e israelenses necessita de uma solução urgente. Ambos os lados requerem toda a terra. Ore por todos os políticos envolvidos no processo de negociação, e por um assentamento justo, duradouro e adequadamente garantido. Ore pela paz de Jerusalém, o mais difícil de todos os problemas a serem resolvidos, pois a cidade é reverenciada por judeus, muçulmanos e cristãos.

3. A aversão ao cristianismo é uma barreira a ser vencida nas mentes judaicas. As nações "cristãs" são vistas como destruidoras da nação judaica, quer pela perseguição (como no Holocausto) ou pela proselitização. Ore para que o evangelho possa ser entendido como cumprimento de sua herança judaica e que uma volta generalizada para Cristo aconteça. Desde 1960, estima-se que mundialmente 100.000 judeus encontraram o Messias, a maioria na América do Norte.

4. Louve a Deus pelo aumento de coragem para testemunhar entre os judeus cristãos, levando para uma grande receptividade. Em 1965 havia somente 300 judeus cristãos em Israel. Em 1992 haviam de 34.000 que vieram de todos os setores da sociedade. Os imigrantes recentes da antiga URSS constituem de 50 a 60% daqueles que agora chegam ao Senhor.

5. Os judeus cristãos são freqüentemente chamados de Judeus Messiânicos, crentes evangélicos que retém sua identidade judaica,
Ore por:

a) Totais direitos legais de imigração e aceitação social em face das pressões nacionais, sociais e familiares. Os judeus ateus são bem-vindos, mas não os judeus cristãos!

b) Retenção de seu cultura sem comprometer a verdade do Novo Testamento.

c) O alcance evangelistico e métodos eficientes para ganhar outros para Jesus. Iniciativas mais agressiva desses crentes está trazendo frutos.

d) Unidade. Tem havido pouca comunhão verdadeira entre os vários grupos.

e) Lideres ativos, especialmente dentre os jovens crentes.

6. A Igreja cristã em Israel está fragmentada e em quase toda parte está declinando em número através da emigração. Ela inclui cerca de 85% de árabes, 12% de estrangeiros (egípcios, etíopes, gregos, russos, armênios, italianos, etc.) e 3% de antecedente judaico. Ore por unidade espiritual que transcenda a história, conflitos étnicos, origens nacionais, escatologia, e áreas secundárias da teologia, e uma preocupação pelo fato de que poucos judeus e muçulmanos estão sendo ganhos para Jesus enquanto mais cristãos estão se tornando judeus e muçulmanos.

7. Os protestantes são maioria entre os árabes palestinos. Os maiores grupos são anglicanos, batistas e irmãos, e muitos são originários de tradicionais minorias cristãs. Os crentes árabes nascidos de novo são uma minoria entre os 6.000 árabes protestantes, muitos são nominais. Existe alguma abertura entre os muçulmanos palestinos e liberdade para compartilhar Cristo com eles, mas existe, até agora, somente três grupos de crentes de origem muçulmana. Ore pelo alcance desses pelos crentes árabes.

8. A força missionária protestante é estimada em cerca de 1.000. Muitos cristãos entraram individualmente para servir ao Senhor. Anos de semeadura e quebrantamento de preconceitos enraizados contra o cristianismo estão agora dando frutos, mas a obra missionária pode ser frustrante e desencorajadora. Muitos vêm com idéias exóticas a respeito de Israel e com visões irreais, e encontram pouca realização e identificação com os crentes locais. Ore para que todos os chamados por Deus possam encontrar ministérios viáveis, meios efetivos de contato com não crentes e doce comunhão com os crentes locais.

9. Os grandes desafios evangelísticos são:

a) Um terço de todos os judeus nasceram no exterior. Muitos ainda falam as línguas de seus países de origem, e são melhores alcançados através dessas línguas. Ore pelo uso de literatura e outros meios entre eles.

b) A grande imigração judaica vinda da Europa oriental. Essa enchente exauriu os recursos da nação. O desemprego e o choque cultural trouxeram frustração e ire. Muitos não têm conhecimento do judaísmo, mas têm uma grande fome espiritual. Alguns têm aceitado o evangelho. Existem várias congregações de crentes de língua russa em Jerusalém. Ore para que cristãos de língua russa sejam chamados para ajuda-los e integrá-los nas congregações de língua hebraica.

c) Judeus etíopes. Existem 400 cristãos entre eles em Israel. Três mil não tiveram permissão para imigrar em 1991 por que eram cristãos ortodoxos apesar de seu declaração de identidade judaica.

d) As 100 cidades e 800 vilas de Israel. Somente algumas têm congregações judaicas ou árabes.

e) Os árabes palestinos. Ore pela evangelização dos 95% que são muçulmanos. Somente são conhecidos uns poucos crentes de antecedentes muçulmanos.

10. Ministérios de ajuda.

a) A literatura é de importância impar para a disseminação do evangelho, por causa da multiplicidade de línguas e da insuficiência de cristãos que testemunhem. Ore por duas casas publicadoras cristãs, a produção de uma seleção crescente de literatura cristã hebraica e árabe, e as nove livrarias cristãs. Existem três periódicos cristãos hebraicos que têm leitores além da comunidade cristã. Pouco centes estão envolvidos na distribuição. Ore para que os judeus possam ler o NT e encontrar a Palavra Viva. 12% de todos os lares têm um NT.

11. Os judeus da dispersão estão diminuindo devido a baixa taxa de natalidade, casamentos mistos, secularismo, emigração para Israel e conversão para outras religiões. Existem agora uma estimativa de 10 milhões fora de Israel. As maiores concentrações estão na América do Norte: seis milhões; antiga URSS: 1.200.000; França: 700.000; Inglaterra: 330.000; e Argentina 350.000. Existem dois milhões de judeus em Nova lorque. Nos EIJA existe muita abertura; nas outras partes menos. Pouco está sendo feito pelos judeus na França e Argentina. A obra envolve longas horas de amor, ministério paciente para indivíduos e famílias.

FAIXA DE GAZA

Um enclave no canto sudeste da costa mediterrânea.
Religião: Fundamentalismo muçulmano crescendo e com tendência anticristã. Muçulmanos 98%. Judeus 1,6%. Cristãos 0,39%.
Economia: Muito dependente da renda auferida pelos palestinos que trabalham em Israel e nos países árabes petroliferos. O desemprego está aumentando.
Política: A perda da maior parte da terra em 1948 e a conquista do remanescente por Israel em 1967 domina a vida dos palestinos. Os esforços internacionais após a Guerra do Golfo para se conseguir um acordo na amarga confrontação entre israelenses e palestinos têm pouca chance de sucesso. A possibilidade da autonomia da Faixa de Gaza e da Margem Ocidental disparou uma luta de poder entre os fundamentalistas islâmicos e a Organização para a Libertação da Palestina. O governo Rabin suspendeu o desenvolvimento de novos assentamentos em 1992.

PALESTINA

Religião: Aumento do fundamentalismo muçulmano e declínio da população cristã.
Muçulmanos: 82,1%.
Judeus: 11%.
Cristãos: 6,9%. Em 1940 a Palestina tinha 30% de cristãos.
:: Evangélicos/Protestantes: 1,3%.
:: Católicos Romanos: 2,1%.
:: Ortodoxos: 3,5%.

1. A história do povo palestino nos últimos 50 anos é trágica. Eles tomaram-se peões da política internacional, e no processo perderam suas casas, terras, meio de vida e auto-respeito. 1.800.000 estão retidos em 61 campos de refugiados em volta das terras árabes com pouca perspective de uma volta a suas antigas casas ou total integração nas terras hospedeiras. O desejo de reconquistar a antiga situação os tem levado a guerras, terrorismo em volta do mundo, violência, divisões internas, e esperanças frustradas. Uma paz justa com Israel e uma razoável solução política parecem improváveis, mas não impossível. Ore pela paz na terra e, mais, para que os palestinos se encontrem com o Príncipe da Paz.

2. A violência da revolta contra o exército de ocupação israelense e o número crescente de colonizadores judeus tem trazido prejuízo social e aumento da pobreza. Os grupos radicais muçulmanos têm ganhado um número crescente de seguidores (50% em Gaza e 30% na margem ocidental). Ore pelos palestinos para que possam ser poupados do castigo de ainda outra tirania, e que possa haver liberdade para a proclamação do evangelho qualquer que seja a futura direção política.

3. Os palestinos cristãos traçam suas raízes de volta aos tempos pré-islâmicos. Os antagonismos do conflito têm levado muitos a emigrar para países do ocidente, e seu número caiu dramaticamente, de 30% em 1940 para 2,5% em 1990. Ore para que os cristãos possam igualmente ser corajosos na firmeza e no testemunho da Verdade, e serem protegidos do aumento no nível de intimidação de seus vizinhos muçulmanos.

4. O ministério cristão tem sido limitado pelas agitações recentes, que continuam. Ore por todos os envolvidos em ministrar nas necessidades físicas e espirituais do povo. É especialmente difícil trabalhar na esquálida Gaza, que mais parece uma prisão.

Fonte: SEMIPA

Dos irmãos Osvaldo e Késia Hadassah, de Israel